Posição da CT-UP sobre os SASUP

A Comissão de Trabalhadores recebeu, sem surpresa, a notícia do abandono da UP e do Porto, pela directora dos SASUP.

A situação interna desse organismo autónomo degradava-se de dia para dia. À medida que a sopa na cantinas universitárias ficava mais aguada, um restaurante de “luxo” abriu na Asprela. Outras escolas custearam, dos seus já apertados orçamentos, o alargamento das cantinas dos SASUP, de modo a prestar melhor serviço aos utentes.

Os SASUP, por natureza, têm que se tornar num verdadeiro serviço social universal, incluindo apoio de creches e aos reformados. Já basta o serviço de assistência médica aos trabalhadores ter sido, logo em 2014, encerrado com o argumento falacioso de que “não se pode fazer concorrência desleal ao SNS”. As visões neo-liberais acabaram por dificultar a vida a todos.

A gestão da coisa pública não pode estar sujeita nem a humores, nem a amores. Por isso, a Comissão de Trabalhadores espera que, desta vez, haja clarividência na escolha da nova equipa, de modo a pacificar o serviço e, ao mesmo tempo, apela à realização de uma auditoria destinada a avaliar o grau de degradação interna e desenho de medidas para optimizar a acção social na nossa Universidade.

Porto, 18 de Julho de 2016